quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

QUINTA DE POESIA




Este ano repito a postagem de outros anos, 
com esta poesia de meu irmão que diz muito sobre o dia de Natal!






VOZ


A primeira noite do menino
Do ventre materno fora
E já entre nós agora
Entre nós... Entre!

Enrolado em panos de presente
Alçado ao calor dos seios, eis que sente
Na cabeça e no corpo os dedos
Das mãos da mãe que, entāo, sem medos
Lhe examina e volta a lhe examinar...

E, depois, os dois ficam a se cheirar
Os cheiros do mundo a se integrar
Aos sons que ouve, mas primeiro dela a voz
Agora sem a distorção do seu líquido berço
Não mais parte de um, mas de um terço...

A primeira noite do menino
Tão pequenino mas que é a forma
Do amor que o cerca e do seu destino
Um ser que, inimitavelmente, único se torna.




Paulo Corrêa Meyer
New York 13/10/2007


Nenhum comentário: